quinta-feira, agosto 03, 2006

O Amor Solitário.

Henrique Cavalleiro : Pintor, desenhista, caricaturista e ilustrador carioca, nascido em 1892 e falecido em 1975. Estudante da Escola Nacional de Belas Artes. Identificado como pintor impressionista e posteriormente, como neo-impressionista. Morou no inicio da década de 20, em Paris. Manteve contatos com os fauvistas e Cézanne. Aluno de Eliseu Visconti. Sua obra faz parte de diversos acervos em nosso país. Foi professor do Colégio Pedro II e da Escola Nacional de Belas Artes. Participou da Primeira Bienal de São Paulo. Casou com Yvone Visconti , filha de Eliseu Visconti, do qual fora discípulo. (Fonte de Consulta: Murilo Castro, Pitoresco, Almanaque Folha de São Paulo, Pro Arte Galeria, Bolsa de Arte, Fundação Bienal de São Paulo)





Olá!
Meus Caros amigos leitores, agradeço muito pelas visitas e os comentários feitos no blog. Não tenho conseguido realizar como pretendia, as minhas visitas rotineiras aos seus blogs e sites. Hoje, tive um tempo para dar o ponto final a um texto que seria postado no mês de julho, esgotado o prazo, acabei passando na Quitanda, para pendurar no mural.
Os dois anos de Ramom, foram comemorados no salão de festa onde moramos. Ramom, curtiu muito, junto de amiguinhos e parentes. Desejo para todos os leitores, uma ótima semana.
***************************************************************************

Muitos dos seus amigos estavam convencidos de que a paixão por Luiza, era cega. Outros, diziam que nutria por Luíza, uma louca paixão. Um amor, sem dúvida, obsessivo, inquieto e voraz; dizia, um dos dois amigos mais íntimos. Ele calado, ouvia, ou pelo menos fingia ouvir. Naquela mesa de bar, o garçom Raimundo, anotava o pedido. No rádio, aquela velha canção de Roberto Carlos, foi ouvida.
A imagem dela, estava pregada, gravada em seu coração.Ficou ali, desde do primeiro dia em que foi apresentado por um um dos seus amigos. Foi amor à primeira vista.Tomou conta de seu coração e de seu pensamento. Silencioso, onde um silêncio mudo petrificava o momento interminável daquele primeiro encontro.Muito prazer! Um breve sorriso, foi dado como resposta.Os olhos, aqueles olhos negros cintilantes, brilharam, fotografaram aquele instante.
Em conversa com um amigo, disse que era amor encantado e eterno. Um amor solitário, manifestado pelas cartas de amor. Escrevia seu amor em prosa e verso, inspirados nos batimentos do coração. O amor puro, casto, distante e guardado pelo tempo. Emoldurados nas lembranças envelhecidas, revividas.Assim, continuava a pensar em Luíza, seu primeiro e único amor. Um amor amarrado ao passado. Que para ele, foi, para sempre, manifestado de modo silencioso. Luiza, nunca soube; ele, continuava solteiro e feliz. Amava Luiza a seu modo.

20 comentários:

Saramar disse...

Wilton, querido amigo, voltei das férias, bem disposta e feliz e estou falando oi para todos os meus amigos. Depois volto com calma para ler direitinho, certo?

Beijos

Vera Fróes disse...

Wilton, que bom que consegui nos brincar com mais um belo texto. Quem não teve amor platônico na sua vida? Eu tive alguns, que eram esquecido quando pintava outra paixão platônica ou não. Se fixar em alguém sem conhecê-lo realmente, acho que por um tempo tudo bem, mais para sempre me parece medo de amar alguém de verdade.

Te aguardo sábado!
Bjos.

Lia Noronha disse...

Wilton: o amor ...sempre como tema central das melhores narrativas!Beijo grande nesta sexta-feira pra vc.

Laura disse...

amor, amor, amor, sempre o amor, não é querido?
Por Luiza, por maria por Rita, por Marilene...
bj laura

Janaina Staciarini disse...

Que saudade, Wilton!!
Adorei o texto de hoje...

Silvio Vasconcellos disse...

Wilton, amigo... essas Luízas que ficam presas em moduras no coração. Quem não teve um amor solitário, que nunca ousou dar um passo em direção a realidade com medo que desvanecesse, não é mesmo?

Um abraço,

Sílvio

Vera Fróes disse...

Wilton, obrigada pelo carinho.
Boa semana.
Bjos.

Jôka P. disse...

Um abraço pra vpocêe sua família, amigo Wilton !

Vera Fróes disse...

Wilton parabéns pelo dia dos pais. Aproveita bem!

Bjos.

Mércia disse...

Ah, um amor assim é muito triste!!! Eternamente solitário!
E pelo Dia dos Pais, beeeeemmmm atrasada, felicidades!!!
Bjos...linda tarde.

Lia Noronha disse...

Wilton: vc está fazendo muita falta no Universo blogueiro...mesmo assim venho sempre na sua Quitanda!
Adorei o texto.
Beijinhos bem carinhosos ao pequeno Ramom.

Laura disse...

Wilton
que tal fazermos uma blogagem coletiva sobre o que sentimos diante diante do terror que vivemos aqui no Brasil, especialmente Rio e S. Paulo?
Estamos todos paralisados diante da incompetência das autoridades e indiferença das instituições.

Está insuportável o silêncio, eu me sinto péssima não fazendo nada.

Qual o dia melhor? segunda próxima? digam o que acham, Denise é quem sabe fazer isto, mas vamos lá, quem sabe conseguimos pelo menos colocar para fora o que sentimos.

Você ajuda a divulgar?

"O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos
desonestos, dos sem-caráter, dos sem-ética. O que mais preocupa é o
silêncio dos bons "

Célebre frase de Martin Luther King.

bjs,
Laura

Saramar disse...

Oiiiiiii!!!
Há alguém em casa? para onde foi todo mundo?
Estou com saudades da família inteira.

beijos e boa semana.

Patty disse...

Q lindo texto!
A sensibilidade fluindo nos poros.
Beijos e ótimo dia!

Lia Noronha disse...

Wilton: um bom fim de semana pra vc.
beijos com carinho da amiga de sempre.

Jôka P. disse...

Obrigado pelo apoio bacana e pela força durante o meu afastamento do blog, Wilton !
Abç!
Jôka P.

Jôka P. disse...

Obrigado pelo apoio bacana e pela força durante o meu afastamento do blog, Wilton !
Abç!
Jôka P.

Diana disse...

Bom dia.....

Que setembro traga boas novas pra vc.....
Bjs em Ramon.....
Bjs...

Lia Noronha disse...

Wilton: bom fim de semana pra e toda a sua família.Beijos com carinho.

Anônimo disse...

Keep up the good work » » »