terça-feira, março 27, 2007

Sonho - A Poesia de Arlete Meggiolaro

José Antonio da Silva : Nasceu em Sales de Oliveira em 1909 , faleceu em São Paulo, em 1996. Antes de 1946, quando é reconhecido, em exposição na Casa de Cultura de São José de Rio Preto, sua trajetória surge como trabalhador rural. Anos mais tarde, na década de 80, é criado o Museu Municipal de Arte Primitiva José Antonio da Silva. Participou de diversas exposições tanto em nosso país, como no exterior. É considerado por muitos como o maior pintor primitivista. José Antonio era escritor, deixou as seguintes obras: Romance de Minha Vida, publicado em1949; Maria Clara, em 1970, Alice editada em 1972 e em 1981, a obra: Sou pintor, sou poeta. Tinha como entendimento de sua arte e de sua postura, declarando que: "Não admito que me chamem de primitivo, caipira ou ingênuo. Tem que me chamar de gênio. Já provei que sou".Fonte de Consulta:
(Pintores do Brasil, http://www.pitoresco.com.br/ http://www.triplov.com/ronildo/silva/index.htm) .
Lembro que quando fui distribuidor da Editora Unesp, recebi para comercializar em 1994, um interessante livro cujo título, é : "Silva: Quadros e Livros: Um artista caipira", autoria de Romildo Sant`Anna, tendo como capista, a artista gráfica Isabel Carballo.
***************************************************************

Olá!

Acordei cedo como sempre faço e aproveitei para passar na Quitanda, dar uma caminhada pelo interior dos corredores, abrir janelas e portas; arrumar prateleiras e deixar estendido no varal de poesia, uma poesia que li há pouco tempo e achei muito boa. A autora, Arlete Meggiolaro, amiga de longa data, é uma escritora e poetisa brilhante, sensível e apaixonada pelo que faz. Criou no ano passado o site Orvalho D` Alma, um espaço que abriga os seus textos e de outros autores que despontam no panorama da poesia brasileira.

Assim que obtive a anuência para publicação da poesia de Arlete, me passou por instantes em flashes, os momentos em que fui livreiro em Ipanema, nos anos 80. Ali, naquele bairro da zona sul da cidade do Rio de Janeiro, criei a livraria Quarup, um espaço democrático. Uma pequena livraria que atendia aos vários segmentos da área de ciências humanas, com uma ligeira tintura para o espaço psi. Área com quem eu dialogava. Como sociólogo e livreiro, percebi com maior clareza, que as ciências sociais, vendia em Ipanema, mas não tanto quanto eu imaginava.

Neste período comecei a ler alguns textos sobre psicanálise e concentrei meu interesse em literatura infantil, devido ao meu filho. Cheguei a ser membro associado da Fundação Nacional do Livro Infantil. Meu filho nesta época estudava na Escola Nova. Fiquei antenado com a produção infantil. li bastante. Meu público eram: sociólogos, estudantes, exilados, autores, editores, professores, artistas, como a atriz-psicanalista e pintora Jacira Silva, falecida em 1995. Enfim, um pessoal que freqüentava a livraria e feiras de livros, espaço que eu também atuava.

Lembro de minha amiga psicanalista e blogueira do Caminhar, Elianne Abreu, suas poesias, seus cabelos, que lembravam em muito a vasta cabeleira de Gal Costa; seus desenhos eróticos, suas histórias como tiete e leitora de Carlos Drummond de Andrade. Elianne, perdi as contas de quantos Fragmentos de um Discurso Amoroso, de Roland Barthes, editado pela Francisco Alves, você presenteou os amigos.

Na Quarup, lembro que abri um espaço para exposição de poesia alternativa ou marginal, os livros editados pela Achiamé; pela editora Trote, criada por Leila Miccolis, pela minha colega de faculdade Glória Pérez, Carlos Araújo, se não estou equivocado, pelo Tanussi Cardoso. De Glauco Mattoso com o Jornal Dobrabril, da editora Pindaíba Enfim, muita poesia, e ainda aparecia sempre uma edição do autor, era muito comum na ocasião. Lembro das livrarias: Dazibao, de Chico e Graça Neiva; do Rui Campos com a falida Muro de Ipanema, de sua momentânea participação na Dazibao; da Xanam na galeira do Cassino Atlântico, em Copacabana, e da Timbre (Shopping da Gávea) com Aluízio Leite (foi sócio da Muro), da Taurus do editor e poeta Jorge Bastos; da livraria Francisco Alves; da Codecri, a livraria do Pasquim, em Ipanema/Leblon, gerenciada pelo José Sanz; da Unilivros (rede) do cineasta Jorge Ileli; da Rubayat do tributarista Carlos de La Roque, da Entrelivros, falida rede de livrarias, com vários sócios, dentre eles o sr. José Silveira, Jorge Ileli; da livraria Tempos Modernos do Leblon e do gerente Alencar. Bom este papo retorno em outra ocasião, sobre as livrarias na zona sul. Por fim, meu momento como editor na co-edição De Cunhã para Cunhatã com Studio Alfa, livro da jornalista botafoguense Márcia de Almeida, com livros editados pela Codecri, filha do jornalista Newton Rodrigues. Vou deixar de papo para dar tempo de vocês fazerem a leitura do poema pendurado no varal. Agradeço muito pelas visitas.



Sonho

Aconchego-me,
laço com abraço
o meu travesseiro,
meu corpo suga da paz.
E a medida
que esta plenitude
toma do meu ser etéreo,
delícias em pensamentos
arrojam centelhas de sonhos.
Nesta viagem
deslizo em tufos de plumas.
O cortejo do real
em sublimes fantasias
que se esmiúçam
como nuvens ao vento

Eis que,
pela fresta do meu devaneio
jorra uma luz dourada,
é a sua silhueta avivada.
E como um anjo amoroso
agasalha-me sob suas asas.
Somos almas gêmeas,
que na serenidade e
sob a imensidão do universo,
flutuamos no
êxtase do mesmo vôo.

Arlete Meggiolaro ©
Extraído do livro –
Alma Fecundada^- Vol. I – Florescência do ser

3 comentários:

Elianne disse...

Meu querido, acheique estaria longe ainda do blog, ma sfoi boa a surpresa, ainda mais com a citação simpática sua. rapaz, eu comprei mtos, é? nem lembro. Comprei bastante o do radun:"Um copo de cólera" tb, bons tempos, agora dinheiro anda apertado. São tantas as despesas...
saudades, querido.
Uma hora vou, deixe esfriar um pouco. Bjs Elianne

Elianne disse...

Vc tem uma memória incrível, tem que escrever mesmo. Bjs

Jane Marques disse...

Querido Wilton, cada vez que passo por aqui, saio com vontade de voltar mais vezes na certeza de que encontrarei sempre coisas deliciosas postadas! Amei o poeminha da Arlete!
Abraços e uma tarde linda pra vc!!!