terça-feira, janeiro 24, 2006

Festa da Solidão

Adelson do Prado: "Domingos de Ramos" - Nasceu em Vitória da Conquista, em setembro de 1944. Pintor/Desenhista. Vive no Rio de Janeiro.Participante em diversas exposições na cidade do Rio de Janeiro e no Estado da Bahia. (Fonte: Murilo Castro, ItaúCultural, Carolina Vigna-Marú, JB/Márcia Peltier)Na página de Carolina, ela o identifica, através, de um encontro no ano de 2003, como uma pessoa extremamente tímida. É encontrada como referência em sua obra, os temas prediletos, como: aves, flores e os anjos.
*******************************************************************************

Olá! Desejo, ainda, mesmo que por um breve momento, por não ter conseguido visitar os blogs, como eu gosto, de meus diletos amigos blogueiros e tampouco, responder aos comentários feitos; quero registrar os meus sinceros agradecimentos. Sempre tenho lido e são de extrema valia, os comentários, que aqui são deixados ao visitarem esta página.
Tenho aproveitado, como é do conhecimento de vocês , meus leitores, tenho dedicado parte do meu tempo, para assistir dvds que alugo em uma locadora próximo de casa. Quero deixar um grande abraço para todos os leitores-amigos deste blog. No final de semana, no escurinho da Quitanda, passou :
Procuradas - direção de José Frazão e Zeca Pires
Olhos de Vampa - direção de Walter Rogério, aproveitei para assistir em VHS, o seu primeiro filme: Beijo 2348/72
de Passagem - direção de Ricardo Elias
Garotas do ABC - direção de Carlos Reichenbach
#############################################

Ontem visitei uma festa ornamentada por sonhos que transitavam
pelas esquinas das esperanças carcomidas da minha ilusão passageira.
Tirei para dançar
a Solidão
Velha amiga e par constante.
Passaporte de meus amores-perfeitos e desfeitos.


Cerzidas e guardadas num canto qualquer da memória.
Uma memória vazia, fragmentada, com rastros do passado
iluminados por embalagens do presente.
Um presente amarrado por nós cegos.
Obstáculos intransponíveis flutuavam por horas e minutos
no intervalo da música
sem som.
Cantarolava notas musicais em dó.

Bailava nas cadências sincronizadas
pelos compassos dos meus passos
Soletrados.

Fico imobilizado, inerte.
Flerto com a existência.
Minha subsistência.
Sou sempre o que eu não quero ser.
Sou e nada mais.

Embrulho rápido papéis rascunhados, reciclados e decorados.
Não consigo jogá-los
Na lata do lixo de minha história.

O sol abrilhanta os dias noturnos de minha existência.
Olho ao meu redor, dou volta em círculos e labirintos.
Desço os degraus espiralados e subo em escadas infinitas que circundam a minha passagem.
Escrevo minha biografia em relevo,
paisagens em segredo
constantes deste enredo.
Desenho meu semblante
estampado no espelho
Escondo de mim, a minha fala, o meu protesto, o que ainda me resta.
Sorrio, uso a máscara engessada, colorida e tingida.
Vivo e revivo por linhas escritas em uma página
em branco
sem margem.



11 comentários:

milton toshiba disse...

Olá Wilton, bom feriado.

Beth disse...

Amigo Wilton,

Lindo o quadro do Adelson! Esse estilo é o chamado "naive" pelos franceses, não é? E o poema...delicado como você. Suukko

Márcia Lustosa disse...

Você sempre embalando nossos corações com tão belo poema, explodindo toda a sua doçura e nos fazendo percorrer tantas emoções.
Bjãooo queirdo Wilton e fique com Deus.

Saramar disse...

Wilton, querido, obrigada por essa Quitanda tão bela, tão poética!
O quadro é maravilhoso. Adoro esse estilo.
O poema é mais que perfeito.

Beijos

Lia Noronha disse...

Wilton: vc nbem sabe o qto amo chegar no Quitanda e encontrar um varal po[etico estendido!
Que os bons ventos da inspiração soprem sempre por aqui!!!
Boa noite e sonhos felizes.
Bjus carinhosos.

Wilton disse...

Olá!
Milton, espero que você tenha curtido muito o feriado.Obrigado por sua visita.Um grande abraço.

Wilton disse...

Olá!
Beth,você está correta, o estilo(a palavra) vem dos franceses, aqui, foi adotado como näif, há como você sabe, um museu situado no bairro de Laranjeiras.Obrigado pela visita. Nota-se que você é uma boa observadora e conhecedora das artes. Um grande abraço.

Wilton disse...

Olá!
Márcia agradeço pelas palavras e pela encantadora visita.Beijos e beijinhos para Christian.

Wilton disse...

Linda Lia, gosto de receber a sua simpática visita e o comentário feito.Beijos.

Wilton disse...

Saramar, querida amiga blogueira, agradeço por suas carinhosas palavras e a simpática visita.Beijos

Ivo Korytowski disse...

Lembro de ter tomado umas e outras com o Adelson do Prado lá nos idos dos anos 60 no velho Zepelim. Parabéns por divulgar essas obras de arte maravilhosas de artistas plásticos brasileiros!